Das coisas que aprendi na vida

Imagine só: o Titanic está afundando e você está nele. As pessoas correm desesperadas pra se salvar. Um nervosismo toma conta do ar, e alguém tem que fazer algo, alguém tem que acalmar os ânimos daquela gente. Você. Porque você tem uma baita vivência, tem cartas na manga, sabe o que fazer numa hora dessas. E vai ter que lançar mão dessas cartas, pelo seu bem e de todo mundo.

É sobre isso que eu quero falar, sobre os nossos trunfos. Os aprendizados que, sofregamente ou não, passaram a fazer parte do nosso repertório. O fato é que, agora, eles podem salvar vidas.

Tocar Quena

Sim, tocar quena! Uma flauta simpática que se toca muito nos Andes. Você conhece o som dela. Eu aprendi a tocá-la por conta própria. Além disso, eu fiz a minha própria quena! Fiz os furos com um ferro quente no fogão de casa (os mais profissionais recomendam cavar o furo com um canivete, pra não “assustar” a madeira). Vá lá, não é a melhor do mundo, mas as notas e a música estão ali.

Tocar Bateria

Essa eu ainda estou aprendendo. Ou melhor, estudando — aprendendo a gente sempre está (fato). Você não imaginam a alegria de ir pra um estúdio e descer a lenha numa batera. Bom, dá pra fazer isso com sutileza também, fica bonito. E digo mais: dá pra tocar bateria mesmo ser ter uma, em casa, no trabalho. Porém, atenção com os vizinhos, o risco de morte é iminente!

Jogar Polo Aquático

Na primeira aula — há poucos meses — eu pensava: “não vai dar, nos próximos dois minutos eu vou afundar aqui nessa piscina pra nunca mais voltar à tona!˜, tamanho é o esforço que exige esse esporte de um iniciante. Mas aí como (quase) tudo na vida, a gente vai superando um desafio aqui, outro acolá, de forma que hoje eu não tenho mais medo de morrer afogado.

Falar Francês

No tempo em que morei na França e aprendi a base que sei hoje, eu tive uma lição. Uma lição sobre “aprender a aprender”. Foi de um colega italiano que precisava aprender a língua assim como eu. O cara tinha uma necessidade insuperável de falar, de se comunicar, de tagarelar (bavarder, no bom français). E por conta disso, acho que aprendia mais rápido que os outros. Aprende mais rápido — não sei se necessariamente melhor — quem tem muita vontade e necessidade de aprender.

Fazer Cerveja

Infelizmente, eu ainda não sei. Mas já estamos trabalhando pra isso. Um aprendizado mão na roda, porque não vou mais ter que ir ali na esquina comprar.

Desenhar

Rezam as estatísticas (e não a lenda, porque os números são mais sagrados nos dias de hoje) que as pessoas que desenham quando adultas, fazem-no porque não pararam de desenhar depois de crianças. E há ainda uma outra estatística — desculpem, perdi a referência dela — que diz que nove entre dez desenhistas gostaria de desenhar com a mesma naturalidade e espontaneidade que desenhava quando era criança. Estou entre os nove. O décimo desenhista, esse já conseguiu.

Deixe uma resposta +

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s