No início de fevereiro dei uma workshop na Campus Party Brasil (decima edição) com o nome de Facilitação gráfica: como o pensamento visual pode melhorar sua vida profissional.

Slides

Referências

Descrição

Dado: nosso cérebro processo imagens 60 mil vezes mais rápido do que palavras.Realidade: ainda trazemos para reuniões e discussões aquilo que é óbvio para nós, no nosso modelo mental, como se fosse óbvio para todos. Como fazer com que esse “óbvio” não seja superestimado (comunicando de menos) nem subestimado (comunicando de mais)?

Artefatos visuais — desenhos feito à mão, sobretudo — servem para tornar ideias mais claras… para nós e para os outros. É como pensar em voz alta, mas deixando rastros gráficos :)

Nesse workshop, serão mostradas formas de compor um repertório próprio para comunicar ideias melhor com o uso do desenho, através da estruturação de uma nota visual, de uma iconografia própria e de um tipo de letra pessoal.

Fotos: Campus Party Brasil

Em outubro de 2016, eu tive o prazer de realizar um dos trabalhos mais mother-fucker-afudê-duca — isto é, muito bom em mais de uma língua ou dialeto — da minha carreira.

Mas é pra tanto? Sim, é. Juntou meu gosto e habilidade no desenho, com a capacidade de síntese que a prática do design dá. Tudo isso ao vivo, sem muito filtro.

Como foi?

Fiz a facilitação gráfica de um evento chamado Fórum de Inovação, promovido anualmente pelo IEL-RS. A organização não mediu esforços pra concretizar esse trabalho e fazer algo diferente do que vinham fazendo nos anos interiores. Enfim, uma inovação dentro da proposta deles… e pra mim também, uma vez que não é toda conferência que traz toda essa parafernália de canetas, tintas etc., além de ser minha primeira vez diante de um público desse porte.

A coisa é bem simples: enquanto os palestrantes e painelistas falavam, eu tomava notas visuais (visual notes ou sketchnotes são termos comuns pra designar esse produto) com a intenção de resumir suas falas, usando grafismos como apoio. Esse resumo era projetado em um telão lateral e, eventualmente, no telão que projetava os slides dos palestrantes.

___

Enquanto eu tomava as notas, uma câmera suspensa fazia o trabalho de filmá-las sob o melhor ângulo, sem me incomodar enquanto eu desenhava. Além de projetar no telão o que aparecia na tela do meu computador, ali na minha frente, eu gravei as duas palestras e o painel de debate.

Em posse do aúdio gravado pela mesa de som (um mp3 de mais de 3,5h), sincronizei o som com o vídeo das notas e… voilà! Eis os vídeos todos para quem foi (ou não) lembrar do que foi apresentado aquela tarde.

Painel: Design Thinking “vida real”

Moderação: Mari Gutheil
Convidados: Daniel Duarte (SAP), Alexsandro Geremia (HIGRA), Juliana Nascimento (NATURA), Eduardo Zancul (USP) e Guilherme Selber (Samsung Ocean)

imagemdtvidareal-visualthinking-web

Palestra: Formação de “inovadores” em projetos em colaboração universidade-empresa

Palestrantes: Eduardo Zancul (USP) e Guilherme Selber (Samsung Ocean)

imagemsamsungocean-visualthinking-web

Palestra: UX – User Experience, Experiência centrada no usuário

Palestrante: Marcelo Quinan

imagemquinan-visualthinking-web

Na seção de palestras da comunidade no Interaction South America, no #isa16, Pedro Belleza e yo apresentamos em espanhol sem nenhum medo de ser feliz. Falamos para países da América Latina que ainda não possuem um evento nacional para contrabalancear a falta que fazem encontros como o ISA pelo resto do ano.

Nosssa submissão: “Cómo organizar una conferencia de UX de gran magnitud: el caso UXConf BR”

Pedro Belleza y Thiago Esser participan desde hace mucho tiempo de una gran variedad de eventos acerca del tema de UX como por ejemplo el Interaction South America. Un día se dieran cuenta qué estes eventos ocurrían en muchos lugares pero nunca en Porto Alegre, ciudad donde viven. La falta de un evento de UX en sua ciudad combinado con el deseo de fortalecer sus propias profesiones fueran algunas de las razones por lo cual ellos decidieron crear a UXConf BR, que en un corto espacio de tiempo y solamente dos ediciones después se hubiera convertido en el más grande evento de UX de Brasil de la actualidad.

14940197_10155620013163438_8494470945368079819_o

En esta charla, Pedro y Thiago van a compartir importantes recomendaciones y consejos para que usted pueda organizar su propia conferencia de UX. Cuáles son los factores claves para el éxito, cual las principales dificultades y cómo superarlas.

La idea tras esa charla es despertar el ímpetu de crear algo importante, que tenga un profundo impacto en toda la comunidad de UX, principalmente a la gente de países de latinoamérica que aún no poseen un evento anual de grandes proporciones.

Pela 4ª vez consecutiva, apresento algo no dia dedicado a palestras da comunidade no Interaction South America, no #isa16 que aconteceu em Santiago do Chile.

O assunto estava gravado com tinta fresca na minha mente, depois de ser avaliador de palestras em eventos com o TDC e a UXConf BR (onde também sou organizador). O mote foi “qualificar as submissões para que as boas ideias não morram na beira da praia”. Espero que o tema ressoe com bastante gente da comunidade.

Veja nesse post a transcrição completa da apresentação:
medium.com/uxconfbr/guia-para-submeter-palestras-em-eventos-de-comunidades-profissionais-42e746bc67ff#.tpk043frf

A minha submissão (que passou!): “3 razões por que a sua palestra não foi aprovada nessa conferência, e a dela/dele foi”

Você teve uma boa ideia de palestra, mas ela não passou nessa (ou em outra) conferência. Há no mínimo 3 razões para isso ter acontecido: 1) você não teve coragem de inscrevê-la (deixa disso!), 2) a descrição da sua palestra não ficou muito clara ou 3) você não conseguiu chamar a atenção do juri e ter um voto positivo dele.

Nessa palestra relâmpago, eu vou mostrar com superar o medo de mostrar as suas boas ideias e fazer uma descrição “do cacete” para sua palestra, em alguns passos bem simples. Também vou mostrar como isso pode ser bom para sua carreira — como designer, especialmente.

Eu já submeti palestras e fui aprovado nos últimos três Interaction South America, além do Interaction 16, a conferência global do IxDA, em Helsinque. Tenho experiência adicional na seleção de palestras em outras conferências, como a UXConf BR, da qual sou um dos criadores.

Retrospectiva #isa16 los sketches de Franz a partir de mi meta-charla

A post shared by Thiago Esser (@thiagoesser) on

Esta é uma série de links que venho juntando ao longo do tempo… artigos, posts, apresentações que passam bem o recado sobre a abordagem de User Experience (UX) ou Experiência do Usuário. Não é uma lista definitiva nem completíssima, mas deve dar um visão bem abrangente sobre o assunto, para quem chegou agora ou já é faixa preta. Nota: a maior parte dos conteúdos está em inglês.

Conceito: O que é UX?

Para começar a conversa, algumas definições :)

Definição de UX

Sem muita enrolação, essa é a definição de Jakob Nielsen e Don Norman: “Summary: ‘User experience’ encompasses all aspects of the end-user’s interaction with the company, its services, and its products.” O segundo autor, inclusive, é o que aparece no video com o dedo em riste.
Artigowww.nngroup.com/articles/definition-user-experience

O que é UX Design e o que faz um UX Designer?

Vídeo que apresenta, de forma visual e didática, um pouco da definição e do processo UX, dando uma boa ênfase ao perfil do profissional envolvido com isso.
Vídeowww.youtube.com/watch?v=Ovj4hFxko7c&feature=em-subs_digest-vrecs

Design Centrado no Usuário

Nessas apresentações, Érico Fileno apresenta o que está por trás da abordagem de design contemporânea, centrada no usuário.
Slides: 

www.slideshare.net/efileno/aula1-minicurso-sobre-design-centrado-no-usurio
www.slideshare.net/efileno/aula-2-minicurso-sobre-design-centrado-no-usurio
www.slideshare.net/efileno/aula-3-minicurso-sobre-design-centrado-no-usurio

Super heróis e vilãos no Design

Nessa apresentação, Aral Balkan fala sobre o fato de vivermos na era da experiências e de como UX funciona nas organizações: “What about our business? (…) Great design  is your business plan!” (cerca de 07:00)
Vídeovimeo.com/70030549

De onde vem a UX?

Para entender UX e ver que a abordagem não foi inventada agora, Leah Buley conta a história desde o taylorismo até o advento da web. Esse infográfico complementa o texto.
Artigowww.uxbooth.com/articles/where-ux-comes-from

Design for behavior (ao invés de Design da experiência)

Em resposta à polêmica pergunta “pode uma experiência ser projetada?” — uma vez que a experiência pertence a cada um — ,  Jared Spool conta uma história sobre o design de brinquedos na Disneyworld e como podemos projetar para influenciar comportamentos.
Podcast: web.archive.org/web/20150909234151/http://www.muleradio.net/mistakes/105 (Arquivo mp3)

A diferença entre UX design e Web design

Com o surgimento do UX designer, surge a questão: qual a diferença dele/a para um/a  web designer?  
Artigo:
 uxmastery.com/the-difference-between-web-design-and-ux-design

Guarda Chuva de UX

Projetar para a experiência do usuário implica uma série de disciplinas ou especialidades. (Essa parte da lista ainda está bem incompleta, dicas de conteúdos são bem vindas).

PESQUISA COM USUÁRIOS

Métodos de pesquisa

Essa é um lista com os métodos mais indicados para realizar pesquisa com usuários.
Artigo:
 web.archive.org/web/20140612014758/http://muledesign.com/2011/03/designed-with-science-a-bit-about-our-research-methods/

Por que em alguns momentos é melhor não apresentar sua ideia

Rob Fitzpatrick apresenta a ideia de que, validar ideias — principalmente em momentos de maturação — pode ser um engano. Ao invés disso, que tal focar em problemas e, se decidirmos criar alguma solução, um possível comprometimento por parte dos usuários em potencial?
Vídeo:
 videos.theconference.se/rob-fitzpatrick-not-presenting-your-idea

Qualquer pesquisa é melhor do que nenhuma pesquisa

Um post que orienta a melhor forma de fazer pesquisa dada as restrições de tempo que tivermos, além de orientações que temos que ter em mente na hora de fazê-la.
Artigoblog.intercom.io/any-research-is-better-than-no-research

Um guia para conduzir entrevistas com usuários

Esse vídeo demonstra na prática como uma entrevista ou teste pode ser conduzido. 
Vídeo:
 www.youtube.com/watch?v=U9ZG19XTbd4

Formas de comunicar achados de pesquisa

Por mais evidentes que sejam os achados, eles podem não ser óbvios para quem os viu com os próprios olhos. Por isso a necessidade de engajar os stakeholders de maneira mais efetiva (do que com aqueles relatórios que nem são lidos).
Artigo:
 www.epicpeople.org/case-study-in-communication-design

Uma amostra de como dá para criar e compartilhar resultados em um ambiente de desenvolvimento de produto.
Artigo:
 gds.blog.gov.uk/2014/09/03/vertical-campfires-our-user-research-walls/

Exemplos de formulários de pesquisa e recrutamento bem projetados

No meio a tantos formulários online que deduzem mal informações sobre nós e feitos às pressas — hoje não requer muita prática criar um no Google Forms ou Typeform  –, volta e meia dou de cara com alguns que foram projetados com cuidado.
Formulários:
– lulileslie.typeform.com/to/yO02Ua
– docs.google.com/forms/d/1q34apZYkMzqNFdHzwhNkycn_Cj4eAAEzb1X5Fh5zqj0/viewform?c=0&w=1

REDAÇÃO

A importância das palavras na experiência do usuário

A parte textual de uma interface se tornou tão ou mais importante que os elementos visuais. E é um ofício que traz todo um universo consigo.
Artigo: https://medium.com/re-form/what-is-narrative-ux-9400664660af

Seguindo essa mesmo linha, este artigo adverte: “Writing becomes more and more important to our craft“.
Artigo: uxdesign.cc/my-website-is-now-conversational-here-is-what-i-learned-7e943cc6ace0#.lvmsn1y4t

Um guia feito pela equipe do Mailchimp para todos os lugares onde veiculam suas mensagens.
Site: voiceandtone.com

Um estudo de como o tom de voz influencia os usuários.
Artigo: www.nngroup.com/articles/tone-voice-users

Seção com guia de como escrever e se comunicar com usuários, com dos e don’ts.
Página: material.google.com/style/writing.html

Projeto de UX: processos e ferramentas 

Para rodar um projeto pensando em experiência do usuário, você não vai querer reinventar a roda toda vez, certo? A seguir, uma lista de ferramentas utilizadas com frequência por designers, junto ao seu processo mostrado sem mistério.

Definição de problema

Definir bem um problema, como (e se) queremos resolvê-lo, é uma parte fundamental dos processos centrados nas pessoas. O artigo abaixo esmiuça essa etapa detalhadamente.
Artigo:
 hbr.org/2012/09/are-you-solving-the-right-problem

UX Apprentice

Um passo a passo sobre as etapas de definição da UX, com um teste de conhecimento logo em seguida.
Site: www.uxapprentice.com

Style guides

Style guides (ou guias de estilo) são uma forma de dar consistência aos elementos de interface, assim como documentá-los para sua equipe
Site: styletil.es
Guia para criar style-guides: www.nngroup.com/articles/front-end-style-guides
Lightning Design System (style-guide da Salesforce): www.lightningdesignsystem.com
Pattern Library (Mailchimp): ux.mailchimp.com/patterns/forms

UX Project Checklist

Um cheklist bem extensivo com etapas de um projeto de UX.
Checklist: uxchecklist.github.io

Métodos e entregáveis de UX

Um guia com etapas e artefatos gerados em cada um delas. 
Sitefabricio.nu/metodos

Design Process: Double diamond

Um descritivo das etapas porque passamos em um projeto, de forma fácil de visualizar e memorizar.
Artigo: Ver resultados no Google Images

Design Thinking 101

O processo de design explicado para pessoas de qualquer área, vulgo Design Thinking :) 
Artigo:
 www.nngroup.com/articles/design-thinking

Nesse vídeo, Ellen Lupton conta a história de como pensou em uma forma de melhorar a experiência em um hospital, numa amostra clara do que é o design thinking.
Vídeo, aos 01:25: 
vimeo.com/42175536

Um workshop para mapear serviços (e evoluí-los)

Uma ferramenta para destrinchar serviços (digitais ou não) e propor melhorias.
Slides: pt.slideshare.net/zaic/workshop-using-service-blueprinting-to-evolve-services

Mapa de jornada do usuário

Os mapas servem para descrever experiências de forma mais holística, indo além do simples uso ou compra.
Vídeo: vimeo.com/78554759

Como criar um Conceito de Design

Um bom framework para se usar no início de projetos. Você pode começar a pensar em ideias de design muito antes de desenhar algo.
Artigo: www.vanseodesign.com/web-design/design-concept-thoughts

Definindo a sua estratégia de UX

Definir a estratégia de UX é pensar, desde o início da definição de produto, o tipo de experiência que você quer promover, no que vai se diferenciar dos outros etc. 
Resumo visual:
 thiagoesser.com.br/2016/01/07/ux-strategy-o-livro-do-chacal-por-jaime-levy-um-resumo-visual-do-framework

Padrões ou guias de Interface do Usuário (UI)

WEB

Good UI

Uma série de recomendações para interfaces web, esse mundo em constante mudança, às vezes meio sem lei. 
Site:
 goodui.org

Padrões de interface web

Biblioteca de padrões de interface, com exemplos e argumentação do porque usá-los
Sites:
– ui-patterns.com/patterns
– patternry.com/patterns

Formulários

Como desenhar melhores formulários, a partir de uma série de boas práticas já consolidadas. 
Artigo 1:
uxdesign.cc/design-better-forms-96fadca0f49c#.vb20fgk2b
Artigo 2: uxdesign.cc/alternatives-to-placeholder-text-13f430abc56f#.pvdmvqsqn

Mensagens de Erro

Um guia para compor mensagens de erro.
Artigo:
 www.userfocus.co.uk/articles/errormessages.html

Num breve resumo, mostro qual a estrutura que está por trás de mensagens de erro ou alerta.
Resumo visual:
thiagoesser.com.br/2013/07/01/anatomia-de-uma-mensagem-de-erro-ou-alerta

Dark Patterns (Padrões “do mal”)

Agregado de diversos padrões de design que prejudicam propositalmente seus usuários.
Site: darkpatterns.org

Artigo com exemplos de padrões do mal.
Artigo:
 http://www.tableless.com.br/padroes-de-ux-mal

Entrevista mostrando que algumas más práticas são combatidas por lei.
Artigo:
www.90percentofeverything.com/2014/08/26/some-dark-patterns-now-illegal-in-uk-interview-with-heather-burns

MOBILE

Tamanhos das áreas pressionáveis

Sugestões de tamanhos de área pressionáveis em aplicativos mobile.
Artigo: www.lukew.com/ff/entry.asp?1085

Equívocos comuns sobre touch

Artigo sobre como funcionam as áreas pressionáveis em dispositivos móveis, esclarecendo a diferença entre touch targetvisual target, e como podemos evitar erros.
Artigo: www.uxmatters.com/mt/archives/2013/03/common-misconceptions-about-touch.php

Como seguramos dispositivos móveis

A partir de observações de pessoas segurando dispositivos, autor fala sobre as limitações de cada cenário.
Artigo: alistapart.com/article/how-we-hold-our-gadgets

Nativo vs. Web

A diferença entre aplicativos nativos, web ou híbridos, e qual deles escolher se formos criar uma solução.
Artigo: www.nngroup.com/articles/mobile-native-apps

Artigo que faz considerações semelhantes ao artigo acima, um pouco mais a fundo.
Artigo: mobile.smashingmagazine.com/2012/06/18/mobile-considerations-in-user-experience-design-web-or-native/

Guidelines iOS (Apple)

Site com princípios e recomendações feitas por designers da Apple.
Site: developer.apple.com/ios/human-interface-guidelines

Guidelines Windows

Recomendações e documentação para todas interfaces Windows (mobile e outros dispositivos).
Site: developer.microsoft.com/en-us/windows/design

Material Design (Android/Google)

Princípios de design aplicados a produtos ligados ao ecossistema do Google, como o Android. Se aplica a todos os dispositivos.
Site: material.google.com

As diferenças entre sistemas operacionais mobile

“Entenda porque seu aplicativo de Android não deve ser igual ao de iPhone”: essa diferença era mais gritante há um tempos atrás, mas a discussão continua válida.
Slides: pt.slideshare.net/hperticarati/contexto-e-familiaridade-porque-apps-de-android-no-devem-ser-iguais-aos-de-iphone

Esse outro artigo levanta a mesma bandeira.
Artigo: medium.com/@michalacler/hey-designers-theres-a-thing-called-guidelines-94d43d5daf75#.oxw5eatjb

Responsive News BBC

Projeto para tornar o site da BBC completamente responsivo.
Site: responsivenews.co.uk/

Tabelas responsivas

Possíveis soluções responsivas para dados tabulares.
Artigo: 
www.maxdesign.com.au/2013/03/22/simple-responsive-table/

Tudo é um remix

Nada se cria, tudo se copia?
Vídeo: 
vimeo.com/81745843

TV

Apresentação sobre padrões de navegação para TVs (ainda num momento sem muitas Smart TVs).
Slides:
 http://www.slideshare.net/rquaresma/tv-interatividade-9887494

Estudo sobre interface e interações em TVs.
Apresentação: www.behance.net/gallery/TVDi-Interactions-Studies/5868713

Princípios Universais de Design

Princípios são como os guidelines, só que menos prescritivos e mais universais — se aplicam às várias disciplinas de design.

Principles of User Interface Design

Princípios para UI Design, mas que podem ser usados de forma ampla.
Site: bokardo.com/principles-of-user-interface-design/

Design Principles

Princípios de design escritos pela esquipe do governo britânico.
Site: https://www.gov.uk/design-principles

Mitos de UX

Mitos servem para reforçar os princípios de design, cuja finalidade principal é derrotar os primeiros.
Site: uxmyths.com

Fundamentos do Design

Esse curso aborda os princípios universais básicos do design.
Curso: www.codeschool.com/courses/fundamentals-of-design

UX para e-commerce

E-Commerce Usability Research
baymard.com

E-Commerce Search Usability (específico sobre Busca)
baymard.com/research/ecommerce-search

6 Mobile Checkout Usability Considerations (específico sobre Checkout)
baymard.com/blog/mobile-checkout

The anatomy of a credit card payment form
gabrieltomescu.com/blog/2015/6/27/anatomy-of-a-credit-card-form

User Experience Impacts on eCommerce
medium.com/@LetsAlign/user-experience-impacts-on-e-commerce-a5a953eb76e6#.7i5zbexsg

Topic: E-commerce (Nielsen Norman Group)
www.nngroup.com/topic/e-commerce

Ten Requirements For Making Home Page Carousels Work For End Users (If Needed)
www.smashingmagazine.com/2016/07/ten-requirements-for-making-home-page-carousels-work-for-end-users

Livros

Minhas leituras 
locomotivo.com.br/tag/livros

Minha conta no instagram (onde posto fotos de livros que leio)
instagram.com/thiagoesser

The Only UX Reading Ever
medium.com/@span870/the-only-ux-reading-list-ever-d420edb3f4ff

Don’t make me think
www.sensible.com/dmmt.html

Rocket Surgery made easy
www.sensible.com/rsme.html

O Design do dia-a-dia
www.saraiva.com.br/o-design-do-dia-a-dia-1563428.html

Design is a Job
www.abookapart.com/products/design-is-a-job

Guia para projetar UX
www.saraiva.com.br/o-guia-para-projetar-ux-2858799.html

Designing the Editorial Experience + Conversations with students
instagram.com/p/uJEjF5uLvd

The Sketchnote Workbook
locomotivo.com.br/2014/10/29/to-dentro-the-stechknote-workbook-do-mike-rohde-im-in-the-stechknote-workbook-by-mike-rohde/

The UX guide book for Product Managers
instagram.com/p/rr1lFMuLrF

Designing for emotion
instagram.com/p/qRvGoCOLmg

Change by design
instagram.com/p/ns_L4GOLnL

Gestão Estratégica do Design
instagram.com/p/nQpoLLuLqn

Grouped
instagram.com/p/a8swACuLry/

Grids + Layout + Design Th!nking
instagram.com/p/YDMBbeuLl0

Chief Culture Officer (CCO)
instagram.com/p/Ud5v1AuLs5

Direto ao ponto
leanpub.com/diretoaoponto

Design de Interação
– instagram.com/p/xuY_2POLgu/
– books.google.com.br/books?id=d_s4AgAAQBAJ&printsec=frontcover#v=onepage&q&f=false

Gestão do Design
instagram.com/p/xuYoRSOLv4/

Vamos fazer Design de Interação?
designdeinteracao.com.br/wp/wp-content/uploads/2013/10/vfdi.pdf

The Biggest list of 35 FREE UX Books
www.keepitusable.com/blog/?p=2291

 

(Foto: santea on flickr)

Grace Bonney (@designsponge) has shown in this poscast episode a ridiculously easy way to inspire yourself and work on new contents for the online and print world altogether. Sure, in the end you still has to create the texts/videos/images, but once you have this “content boxes” (how she calls it), there’s no mistery at all.

I found it so easy to grasp that I decided to put it all in the A5 format bellow, resumed in an sketchnote format, so you can print it or have it always accessible in your bookmarks.

To hear the podcast How to Create Content for the New Online World and read the resume:

  1. Open the audio file in another window.
  2. Click on the following image to enlarge it.

20160726_181654

If you use this material for your own purposes, please consider linking back to this post using this shortlink: bit.ly/content-online

Com essas notas visuais eu fiz minha apresentação sobre Pensamento Visual na ultima quarta-feira dentro do Agile Clinic, uma iniciativa dos coachs Agile do Sicredi, aqui em Porto Alegre.

Um público bem diversos e interessado estava lá para acompanhar a 1h30min de apresentação e perguntas.
sketch1461156989548
sketch1461118283667
sketch1461117174597
sketch1461117414664
sketch1461118761297
sketch1461118651459
sketch1461118078675
sketch1461119488588

I had a great time going to Helsinki this past March to exchange some ideas with designers from all over the world at Interaction 16, the IxDA global conference.

Part of it was the awesome opportunity of talking at the campfire stage, a rather informal and warm place to be :)

This is the result of Design as the the art of materializing business decisions in full HD. Enjoy!

Video

Slides

Fotos

Some photos taken by the organization.
24875060793_7b66a44e27_k
24875050313_d83563346a_k
25408902051_eab45a274b_k

Alergia à proteina do leite da vaca (APLV) é uma reação diferente da intolerância à lactose (IL). A APLV dá mais em bebês e crianças, a IL é mais comum em adultos e idosos. A APLV pode ter sintomas digestivos, cutâneos, respiratórios, dentre outros. A IL se restringe e sintomas intestinais.

Apesar de não ter nenhuma das duas, aprendi a detectar o leite de vaca nas suas mais diversas formas, como essas que mostro no desenho.

alergia-leite
Clique na imagem para ampliar e imprimir.

Para quem tem uma questão assim, em si ou na família, essas figuras podem ajudar nas idas a restaurantes ou para informação aos cuidadores de crianças.